21 de feb. de 2020

De carnaval...

...en carnaval. Velaiquí de novo o sr Entroido para dar paso á sra Cuaresma. Un ano máis.




14 de feb. de 2020

amor de fado, de trópico, africano

A imaxe musical inseparable de Portugal seguramente é o fado, e do fado Amalia; igual que de Brasil o samba e a bossa nova, e de Cabo Verde a morna. Pero hai máis, aquí deixamos só unha mostra.

Barco Negro
Este é un fado da mítica Amalia pero podemos escoitalo na versión de Mariza, fadista contemporánea de ascendencia mozambicana
O público canta:
"Eu sei, meu amor,
Que nem chegaste a partir,
Pois tudo, em meu redor,
Me diz qu'estás sempre comigo"




Velha infância
Outra Marisa (Marisa Monte) canta no trío Tribalistas, no sonoro portugués do Brasil



E no Brasil também Adriana Calcanhoto fica assim sem você




Amor di mundo
Desde Cabo Verde e na lingua crioula de alí, este ritmo de coladera de Cesaria Évora.
(Na canção "Petic pays" ela canta: "[...) Tem morna, tem coladera [...] Tem batuco, tem funanâ" em alusão às "raízes" da música de Cabo Verde)



Nh'amor é doce Nh'amor é certo Nh'amor tá longe Nh'amor tá perto El ta na nim 'M ca ta sozim Ness mundo


O namoro de Godinho



Para conmemorar o día:
fecha os ollos e escoita
e lembra e imaxina.


Mandei-lhe uma carta em papel perfumado
E com a letra bonita eu disse ela tinha
Um sorrir luminoso tão triste e gaiato
Como o sol de novembro brincando de artista
Nas acácias floridas na fímbria do mar
Sua pele macia era sumaúma
Sua pele macia cheirando a rosas
Seu seios laranjas, laranjas do Loge
Eu mandei-lhe essa carta e ela disse que não
Mandei-lhe um cartão que o Maninjo tipografou
"Por ti sofre o meu coração"
Num canto sim, noutro canto não
E ela o canto do não dobrou
Mandei-lhe um recado pela Zefa do Sete
Pedindo e rogando de joelhos no chão
Pela Senhora do Cabo, pela Santa Ifigénia
Me desse a ventura do seu namoro
E ela disse que não
Mandei a avó Chica, quimbanda de fama
A areia da marca que o seu pé deixou
Para que fizesse um feitiço bem forte e seguro
E dele nascesse um amor como o meu
E o feitiço falhou
Andei barbado, sujo e descalço
Como um mona-ngamba procuraram por mim
" Não viu (Ai, não viu?) Não viu Benjamim?"
E perdido me deram no morro da Samba
Para me distrair levaram-me ao baile
Do senhor Januário mas ela lá estava
Num canto a rir contando o meu caso
Âs moças mais lindas do Bairro Operário
Tocaram a rumba dancei com ela
E num passo maluco voamos na sala
Qual uma estrela riscando o céu!
E a malta gritou: "Aí Benjamim!"
Olhei-a nos olhos, sorriu para mim
Pedi-lhe um beijo, ararararai 
e ela disse que sim
E ela disse que sim
E ela disse que sim

4 de dec. de 2019

Visita guiada á exposición "Galaicos. Un pobo entre dous mundos"


 O día 3 de decembro o alumnado de EBI visitou o museo de Pontevedra para ver a exposición de "Galaicos. Un pobo entre dous mundos". Nesta visita, puideron valorar a importancia da cultura galaica mediante a observación de obxectos arqueolóxicos datados dende a prehistoria ata a antigüidade tardía, así como imaxes de xacementos galegos como o de Santa Tegra ou o da Lanzada. Asemade, tamén visitaron unha sala con diversas obras orixinais de Castelao, artista de Rianxo e figura mais importante da cultura galega do século XX, sendo narrador, ensaísta, dramaturgo, debuxante e político.
Aquí van unhas fotos da saída.